segunda-feira, 16 de junho de 2014

Após a ivasão de sua torcida, Argentina vence em um jogo morno


Artigo publicado no blog Jovens Cronistas: Clique aqui
 
Uma invasão de Argentinos e uma estreia de um dos maiores da atualidade no Maracanã podia ser uma grande vitória para a favorita Argentina, mas não foi.

Com apoio dos Argentinos e dos Brasileiros para a Bósnia, a Argentina começa a partida na defensiva. Sabella começou a partida com um 5-3-2 para tentar resolver os problemas que a equipe tem na defesa, porém estava correndo bem, pois aos 2 minutos da partida, em uma falta cobrada por Messi , Marcos Rojo cabeceou, a bola bateu em Kolašinac e entrou. Parecia que ia ser uma goleada.

Após o gol, a equipe foi mostrando algumas falhas. Com o esquema de Sabella, Messi e Dí Maria não conseguiam criar as jogadas e erraram muitos passes, sem conseguir passar na forte defesa da Bósnia, em um primeiro tempo morno, a Argentina só consegui chegar ao gol nos 30 minutos num chute de Javier Maschenano. Com os erros da Argentina, a Bósnia começou a se soltar para o jogo, com Misimovic, que fez lançamento brilhante para Hajrovic, que invadiu a área sem marcação, mas  Romero consegue afastar a bola. Antes dos 15 minutos, Pjanic teve em uma cobrança de falta na entrada da área, mas a bola para na barreira da Argentina e aos 40 veio a melhor chance do primeiro tempo, com  Pjanic cobrando o escanteio da direita, na e Lulic subiu sozinho para cabecear firme, mas Romero consegue fazer uma bela defesa. O primeiro tempo terminou assim, morno para as duas equipes.

Após um jorgo morno no primeiro tempo, Sabella muda o esquema para a segunda etapa. Com a entrada de Gago e Híguain no lugar de Campagnaro e Maxi Rodriguez, indo para o esquema utilizado pelo treinador em outros jogos, no 4-3-3, mantendo Mascherano a frente da zaga e Gago ao lado de Dí Maria para armar e deixando Messi mais solto para a armação das jogadas.

Mas o segundo tempo começou mesmo com a Bósnia tendo maior parte da posse de bola, mas aos 10 minutos, Hajrovic exigiu de Romero duas defesas. O esquema do 4-3-3 começou a surtir efeito, com Messi deixando Aguero na boa, mas a bola foi para fora, primeira chance clara da Argentina ao gol.

Aos 12 minutos, Hajrovic fez um cruzameto e Romero Romero sai indeciso, mas Fede Fernández conseguiu tirar o perigo. Com 15 minutos de jogo, Messi arranca em direção à área, dando passe para  Aguero, que novamente desperdiçou. A Argentina passou atacar mais com Messi participando das principais jogadas de ataque, mas o ponto chave da partida veio, aos 20 minutos com Messi pegando a bola na intermediária, tabelando com Gago e passando pelos dois bósnios e chutando  para dentro das redes, batendo antes na trave. Um golaço!

Após o segundo gol argentino, a Bósnia começou a perder forças, com as saídas de Hajrovic e Misimovic , apesarem não terem feito uma boa partida. A Argentina passou a ter controle da partida, usando a posse da bola no seu campo de ataque. Aguero e Higuaín tiveram uma boa chance cada, mas não conseguiram aproveitar.

Nos minutos finais a Bósnia conseguiu chegar ao campo da Argentina, com Ibisevic recebendo sozinho na frente de Romero diminuindo o placar. Sabella então trocou Agüero por Biglia, e seu time conseguiu segurar uma vitória até o fim da partida.

Apesar de um jogo fraco tecnicamente, podemos acreditar no time albiceleste. Se Sabella colocar o time que jogou o segundo tempo no inicio da partida, utilizando o 4-3-3, deixando Messi livre para a criação, mas a zaga continua sendo o problema, Romera ainda não gera confiança, mas podemos ver a evolução de Garay e Marcos Rojo.

A Bósnia, mesmo em uma atuação apagada de Dzeko e com a defesa sólida, pode acreditar que o clube terá grandes chances para abocanhar a segunda vaga.

ARGENTINA 2 X 1 BÓSNIA

LOCAL: Maracanã, Rio de Janeiro
ÁRBITRO: Joel Aguilar (ESA)
AUXILIARES: William Torres (ESA) e Juan Zumba (ESA)
PÚBLICO: 74.738
CARTÕES AMARELOS: Rojo (ARG); Spahic (BIH)
GOLS: Kolasinac, contra, 2'/1ºT (1-0), Messi 19'/2ºT (2-0), Ibisevic 39'/2ºT (2-1)

ARGENTINA: Romero, Zabaleta, Garay, Federico Fernández, Campagnaro (Gago, intervalo) e Rojo; Mascherano, Maxi Rodríguez (Higuaín, intervalo) e Di María; Messi e Agüero (Biglia 41'/2ºT)
TÉCNICO: Alejandro Sabella

BÓSNIA: Begovic, Mujdza (Ibsevic 24'/2ºT), Bicakcic, Spahic e Kolasinac; Besic, Hajrovic (Visca 26'/2ºT), Pjanic, Misimovic (Medunjanin 29'/2ºT) e Lulic; Dzeko
TÉCNICO: Safet Susic

Curta nossa PageJovens Cronistas (Clique)

Edição e RedaçãoJoseclei Nunes (Facebook) (Twitter)

Foto: JUAN MABROMATA / AFP

Projetando o Grupo F!




Artigo publicado no blog Jovens Cronistas: Clique aqui
 
Antes do sorteio da chave de grupos, ninguém poderia imaginar que a Argentina poderia ter uma chave com mais facilidades do que outras favoritas que estarão no famoso grupo da morte. Em uma chave com Bósnia, Nigéria e Irã, o caminho poderá ser mais fácil para a equipe albiceleste até as oitavas de finais. A outra vaga poderá ser decidida entre Bosnia e Nigéria e o Irã poderá ser a equipe que definirá a segunda classificada. Abaixo farei uma breve análise do que podemos encontrar em cada equipe que esta no Grupo F.


Argentina

Imagine um ataque com Di Maria, Higuain, Aguero e Messi? Seria bom se a defesa não preocupasse gerando muita desconfiança, uma difícil missão para Garay, Campagnaro e Cia. Além do goleiro Romero, que podem garantir lá atrás, enquanto Messi & Cia resolvem no ataque. Outra aposta da Argentina começou pela vinda do técnico Alejandro Sabella, que conquistou argentino e a libertadores com o Estudiantes para enfim trazer a taça, que não vem desde 1986.

Sabella porém, descartou Tevez que vive em uma boa fase na Itália e mesmo com apelo nacional, ele não foi convocado para a copa. O esquema tático que Sabella que talvez utilize para o torneio será 4-3-3, porém com muitas possibilidades de alterações de uma partida para outra. Duas linhas de quatro no 4-4-2 e o 5-3-2 já foram testados pelo treinador e poderá utilizar em momentos importantes no decorrer do Campeonato.
Nas Eliminatórias da América do Sul para a Copa, a Argentina se classificou em primeiro. Foram 16 jogos, 9 vitórias, 5 empates, 2 derrotas, 35 gols marcados, 15 sofridos, sem contar as vitórias sobre Alemanha, Itália e Brasil nos amistosos.

Bósnia

Primeiro pela briga da segunda vaga do grupo, a Bósnia trocou o comando, Safet Susic sucedia o Croata Blazevic. Com oito vitórias em dez jogos, primeiro do grupo, trinta gols feitos e seis sofridos em uma campanha sólida e pouco exigidos. Com destaque para Dzeko, craque do time que com dez gols foi o vice-artilheiro das Eliminatórias Europeias. Outros destaques da Bósnia, são os meias Misimovic, Lulic e Pijanic e o atacante Ibisevic.

A Bósnia entra em duvida em qual tática será usada:  4-2-3-1 ou 4-3-1-2, mas talvez optará no esquema 4-4-2, enfatizando o meio decampo com Pjanic e Misimovic que fazem a bola chegar nos pés de Dzeko e Ibisevic. A Bósnia dependerá do talento de Dzeko e do toque de bola para chegar as oitavas.

Irã.

Candidato a saco de pancadas do grupo. É uma equipe pouco experiente e que possui poucos jogadores que jogam fora de sua liga nacional. Indo para sua quarta copa, a primeira em 1978, a equipe Iraniana trouxe o  técnico português Carlos Queiroz, que costuma realizar grandes trabalhos por onde passa e treinou Portugal em 2010. O destaque do time será o atacante Dejagah, que jogou na Bundelisga e o volante Javad Nekounan. O Irão contará também o a jovem promessa de 19 anos Sardar Azmoun.

O esquema tático de Queiroz será o 4-4-2, mas indo para 4-2-3-1, fechando duas linhas de quatro sem a posse de bola. Fechando a parte defensiva, a equipe Iraniana utilizará a velocidade e partir em um contra-ataque, passando por Nekounan que fará as principais jogadas aéreas para a bola chegar ao ataque.
A inexperiência em copas ainda será um problema para a seleção do Irã, mas com Carlos Queiroz no comando e a força do sistema defensivo, poderá ser um problema para equipes que estão brigando pela segunda vaga nas oitavas.

Nigéria

Outra que briga pela segunda vaga. É a atual campeã africana e vem mostrando um bonito futebol, mas não foi bem na Copa das Confederações em 2013. A equipe pode contar com alguns jogadores de boa qualidade como o volante John Obi Mikel e Victor Moses e um ataque com Ahmed Musa e Emmanuel Emenike que será o ponto forte para a classificação.

O esquema tático da Nigéria pode ser o 4-3-3, mas nos últimos amistosos, os águias variaram entre  4-2-3-1 e  4-4-1-1 recuando Moses e Musa na linha do meio de campo ao lado dos volantes Mikel e Onazi. Na partida contra o México, Michael Uchebo atuou como "ponta de lança" a frente da segunda linha Nigeriana, encostando como um segundo atacante ao lado de Emenike.

A Nigéria irá depender do ataque para conquistar alguns pontos preciosos para conseguir a vaga para as oitavas.


É isso amigos, essa foi a análise de possibilidades para o Grupo F, minha cobertura dos jogos se inicia já neste Domingo, espero vocês.

Curta nossa Page: Jovens Cronistas! (Clique)

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Independiente vence Huracán e retorna a elite Argentina.

 

Artigo publicado no blog Jovens Cronistas: Clique aqui

Na véspera de mais uma copa, à tarde de quarta era decisiva para dois clubes tradicionais no Estádio Ciudad de La Plata que recebeu um ótimo público. Indenpediente e Huracán, que após terminarem com o mesmo número de pontos na última rodada, decidiam em um jogo extra quem retornaria a primeira divisão do Campeonato Argentino.

Com inicio do primeiro tempo fraco por causa do nervosismo das equipes, O Huracán parecia esta com medo de arriscar e o Independiente não encontrava espaços em suas jogadas enenhum chute foi ao gol até os 35 minutos da etapa inicial. O Abusando das jogadas aéreas, o Huracán quase chegou ao gol em uma cobrança de escanteio, mas o defensor do Independiente conseguiu tirar a bola, iniciando depois com Matías Pisano, que no contra-ataque e conseguiu de forma até o gol, mas bola terminou na mão de Marcos Díaz conseguiu fazer a defesa, mas a bola parou nos pés de Zapata, aproveitou o rebote a abriu para o rojo.
Em vantagem, Independiente  foi administrando até o fim do primeiro tempo e com o inicio do segundo tempo, o sistema defensivo do Rojo passou enfrentar dificuldades para segurar o placar. O Huracán voltou bem melhor, dando trabalho ao goleiro Diego Rodríguez, que fez pelo menos três boas defesas na primeira parte do segundo tempo, porém o jogo passou a ser mais tenso após de um gol legal do Ramón Abila, faltando 15 minutos para o fim do jogo. Se o assistente não anulasse, a partida seria tensa em seu final.

Com o Globo todo no ataque, aos  41 minutos o Rojo aproveitou mais um contra-ataque e Pizzini, que havia acabado de entrar, fez o segundo gol, garantindo a equipe de Avellaneda que é o terceiro maior campeão nacional do país com 16 conquistas e o maior vencedor da Copa Libertadores da América, com sete títulos a volta para a primeira divisão depois uma temporada fora e para a alegria dos jogadores e de sua “hicha”, enquanto Huracán terá que aguardar mais 6 meses para tentar voltar a elite.

Curta nossa PageJovens Cronistas (Clique)

Edição e RedaçãoJoseclei Nunes (Facebook) (Twitter)

Foto: EFE

terça-feira, 10 de junho de 2014

A batalha final pela volta à elite do Futebol Argentino


Artigo publicado no blog Jovens Cronistas: Clique aqui

Por conta dos dois resultados de domingo, na próxima quarta-feira será definida entre os dois grandes clubes argentinos: Independiente e Huracán. As equipes se enfrentarão no Estádio Único de La Plata, definindo quem será o último clube a subir para a primeira divisão do futebol argentino junto com o campeão Banfield e Defensa y Justicia.

Olhar para os tempos de hoje, talvez não possamos imaginar que o confronto entre as duas equipes se enfrentaram em uma semifinal de libertadores em 1974, onde o clube de Avellaneda foi campeão depois pelo torneio.

Antes dessa decisão, o Independiente precisava de uma simples vitória sobre o Patronato, que estava apenas cumprindo tabela para conseguir voltar à elite, mas mesmo com a presença de Kun Agüero (ex-jogador e torcedor do clube) e diante de sua torcida que lotou o Estádio Libertadores de América, porém o Rojo decepcionou e se não fosse as defesas do goleiro Diego Rodríguez a tragédia podia ser maior.

Na grande Buenos Aires, após uma impressionante reação na B Nacional o Huracán precisava de um tropeço do Rojo e uma vitória sobre o Almirante Brown fora de casa, porém o Globo conseguiu a vitória de 1x0 com o gol de Pity Martínez, rebaixando o Almirante, que mesmo pressionado por sua torcida, foi para a terceira divisão. O Globo empatou em pontos com o Independiente, forçando um jogo extra para quarta-feira.

Para quem acompanha e gosta do futebol argentino, Independiente e Huracán já brigaram direto por vaga em final de libertadores, disputas de títulos no Campeonato Argentino. Sendo que o Rojo possui sete libertadores, a ultima em 1984 e o globo foi campeão argentino em 1973 e segundo algumas pesquisas, é a sexta maior torcida do país.

Para quem acostumava a ver Independiente e Huracán na elite do futebol argentino, com os principais jogadores do país, nesta quarta apenas um voltará a elite.

Curta nossa PageJovens Cronistas (Clique)

Edição e RedaçãoJoseclei Nunes (Facebook) (Twitter)

Foto: EFE

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Venceu, mas ainda não convenceu



Artigo publicado no blog Jovens Cronistas: Clique aqui

Em poucas chances de gol, o Vasco enfim conseguiu uma importante vitória sobre o Boa por 2 a 0 na noite de terça-feira em Varginha (MG), pela décima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Com um jogo a menos foi para a nona colocação com 14 pontos.

O jogo iniciou com os dois times tentando o ataque e aos 2 minutos, Diego Renan recebeu na esquerda após rápido contra-ataque, mas a bola foi para o lado esquerdo do gol, aos 14 com Diego, do  Boa, que passou por Rodrigo em jogada de linha de fundo e foi abafado na hora do chute e aos 35, foi a vez de o Vasco mais uma vez, com Pedro Ken foram os momentos de perigo ao gol , mas boa parte do jogo foi morno.

No segundo tempo, Adilson batista mudou o panorama do jogo com aos 10 minutos com a entrada de Dakson no lugar de Rafael Silva, que deu mais rapidez para o ataque cruzmaltino e o time carioca começou a levar perigo no gol do clube mineiro.

Depois de uma jogada individual de Diego Renan pela esquerda, o meia vascaíno chutou e Leandro espalmou para frente, Edmilson estava bem posicionado e abriu o placar aproveitando o rebote de dentro da área aos 32 do segundo tempo.

O gol fez o Boa fez o BOA partir ao ataque e com um chute queima-roupa do veterano centroavante Fábio Júnior minutos antes do gol de Dakson, aos 39 minutos, em um chute rasteiro e cruzado. A bola bateu na trave para enfim passar da linha.

Os dois times voltam a jogar após a copa no dia 15 de julho pela 11.ª rodada, o Boa faz o jogo enfrenta o lanterna Vila Nova, em Goiânia, já O Vasco, no Rio, enfrenta o Santa Cruz.

FICHA TÉCNICA:

BOA ESPORTE 0 x 2 VASCO

Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG)
Data: Terça-feira, 03 de junho de 2014
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF)
Assistentes: Ciro Junqueira e José Sabino (DF)
Cartões amarelos: Luiz, Betinho (Boa); Luan, Aranda e Douglas (Vasco)

Gols: Edmilson, aos 32, e Dakson, aos 40 minutos do segundo tempo

BOA: Leandro; Betinho, Mateus Alves, Luiz e Marinho Donizete; João Paulo, Vinicius Hess, Leandro Ferreira (Moisés Ribeiro) e Pedrinho (Malaquias); Diego (Michel Douglas) e Fábio Júnior.
Técnico: Nedo Xavier.

VASCO: Diogo Silva; André Rocha, Luan, Rodrigo e Diego Renan; Fabrício, Aranda (Yago), Pedro Ken e Douglas (Fellipe Bastos): Rafael Silva (Dakson) e Edmilson.
Técnico: Adilson Batista.

Curta nossa PageJovens Cronistas (Clique)
Edição e RedaçãoJoseclei Nunes (Facebook) (Twitter)
FotoMarcelo Sadio/Vasco / Divulgação
 

Razão & Cultura Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger